Abaixo, citações inspiradoras de Jack sobre viagens

JK2

 

“Jack, nós temos que ir e nunca parar de seguir enquanto a gente não chegar lá”

“Para onde estamos indo, cara?”

“Eu não sei, mas temos que ir”

de Pé na Estrada

“Porque, no final, você não vai se lembrar do tempo que passou trabalhando no escritório ou aparando a grama. Escale aquela maldita montanha”

de Os vagabundos iluminados

“Estrada sagrada, estrada louca, estrada arco-íris, estrada do peixe, qualquer estrada. É uma estrada em algum lugar para alguém de alguma maneira”

de Pé na Estrada

“A pureza da estrada. A linha branca no meio da rodovia desenrolava e abraçava nossa roda esquerda como se estivesse colada ao nosso groove”

de Pé na Estrada: Manuscrito Original

“Nada atrás de mim, tudo à minha frente, como acontece sempre na estrada”

de Pé na Estrada: Manuscrito Original

“Não tínhamos que falar mais nada. O único a fazer era ir”

de Pé na Estrada: Manuscrito Original

“Nossas malas puídas estava empilhadas na calçada de novo; nós tinhamos longos caminhos a seguir. Mas não importa, a estrada é vida”

de Pé na Estrada

“Eu estava surpreso, como sempre, por como era fácil ir embora e como isso me fazia me sentir bem. O mundo estava rico de possibilidades de repente.”

de Pé na Estrada

“Viva, viaje, aventure-se, abençoe e não se arrependa”

de Anjos da Desolação

 “O que há para mim na direção que eu não tomar”

de Os Subterrâneos

“Os únicos que me interessam são os loucos, aqueles que são loucos por viver, loucos por falar, desejosos de tudo ao mesmo tempo, os que nunca bocejam nem dizem coisas de lugar-comum… mas queimam, queimam, queimam como velas romanas pela noite”

de Pé na Estrada: Manuscrito Original

“Toda a terra dourada está à sua frente e todos os tipos de eventos imprevistos esperam de tocaia para te surpreender e fazer você feliz por estar vivo para ver”

de Pé na Estrada

“O que vamos fazer? O que faremos nós? Vamos nos mover!”

de  Pé na Estrada

“A estrada deve, eventualmente, guiar-nos por todo o mundo”

de Pé na Estrada

“Não tenho nenhum outro lugar para ir que não sejam todos os lugares e continuar rolando sob as estrelas”

de Pé na Estrada

JackKerouac_NewBioImage_0Quem é Jack Kerouac?

Jack Kerouac nasceu em Lowell, Massachusetts, em 12 de março de 1922; era o mais novo de três filhos de uma família de origem franco-canadense. Começou a aprender inglês apenas aos seis anos de idade, estudou em escolas católicas e públicas locais e, como jogava futebol americano muito bem, ganhou uma bolsa para a Universidade de Columbia, em Nova York. Nesta cidade conheceu Neal Cassady, Allen Ginsberg e William S. Burroughs. Largou a faculdade no segundo ano, depois de brigar com o técnico de futebol, foi morar com uma ex-namorada, Edie Parker, e juntou-se à Marinha Mercante em 1942 – dando início às jornadas infindáveis que se estenderiam por boa parte de sua vida.

Em 1943 alistou-se na Marinha, de onde foi dispensado por razões psiquiátricas. Entre uma e outra viagem, voltava para Nova York e escrevia o seu primeiro romance, The Town and the City (Cidade pequena, cidade grande), publicado em 1950, sob o nome de John Kerouac. Este primeiro trabalho era fortemente influenciado pelo estilo do escritor norte-americano Thomas Wolfe e foi bem recebido.

Em abril de 1951, entorpecido por benzedrina e café, inspirado pelo jazz, escreveu em três semanas a primeira versão do que viria a ser On the Road. Kerouac escrevia em prosa espontânea, como ele chamava: uma técnica parecida com a do fluxo de consciência. O manuscrito foi rejeitado por diversos editores. Em 1954, começou a interessar-se por budismo e, em 1957, On the Road foi finalmente publicado, após inúmeras alterações exigidas pelos editores. O livro, de inspiração autobiográfica, descreve as viagens através dos Estados Unidos e México de Sal Paradise e Dean Moriarty. On the Road exemplificou para o mundo aquilo que ficou conhecido como a “geração beat” e fez com que Kerouac se transformasse em um dos mais controversos e famosos escritores de seu tempo – embora em vida tenha tido mais sucesso de público do que de crítica e embora rejeitasse o título de “pai dos beats”.

Livro-On-The-Road-Pe-na-Estrada-Jack-Kerouac-4414336Seguiu-se a publicação de The Dharma Bums (Os vagabundos iluminados) – um romance com franca inspiração budista –, The Subterraneans (Os subterrâneos) em 1958, Maggie Cassidy, em 1959, e Tristessa, em 1960. A partir daí, Kerouac tendeu à direita, politicamente: criticava os hippies e apoiou a guerra do Vietnã. Publicou ainda Big sur e Doctor Sax, em 1962, Visions of Gerard, em 1963, e Vanity of Duluoz,em 1968, entre outros. Visions of Cody, considerado por muitos o melhor e mais radical livro do autor, só foi publicado integralmente em 1972. Ele morreu em St. Petersburg, Flórida, em 1969, aos 47 anos, de cirrose hepática. Morava, então, com sua mãe e sua mulher, Stela. Escreveu ao todo vinte livros de prosa, e 18 de ensaios, cartas e poesia.

Fonte: Wikipedia e Eusouatoa

Comentários

comentário(s)