Select Page

Será que conseguimos passar um dia sem reclamar ?

Será que conseguimos passar um dia sem reclamar ?

Se existe algo muito corriqueiro e trivial é a reclamação. A vida e os tempos atuais são desafiadores, mas ajuda alguma coisa apenas reclamar?

Tomarmos consciência do que nos incomoda e tentar corrigir é saudável. O que não é saudável é o hábito de reclamar o tempo todo sem ação corretiva.

Quando reclamamos, muitas vezes supervalorizamos o ocorrido, baixamos e gastamos energia que poderia ser canalizada de forma positiva e, sem perceber, nos acostumamos a fazer papel de vítimas para não assumirmos a responsabilidade pelo ocorrido.

Ou seja, nada de positivo vem com a reclamação que se torna facilmente um hábito incorporado e autômato. Pior! Em tempos atuais pode virar facilmente semente da raiva.

Dependendo de como ela se manifesta, a reclamação é a nossa pequena parcela diária de violência. É a nossa colaboração para algo que nos aflige e é importante refletirmos sobre isso.

Então, para tentarmos sair deste automatismo da reclamação, lançamos um desafio: que tal passar um dia sem reclamação?

Segue um guia prático para ajudar a passar pelo desafio:

  • conte até 60 toda vez que quiser reclamar. Este é o tempo que o córtex pre-frontal demora para assumir o controle sobre as emoções e atitudes impulsivas.
  • coloque-se uma meta de se auto observar para se conter toda vez que for reclamar para que no final do dia possa comemorar todas as vezes que mudou o comportamento.
  • escreva todas as suas reclamações num papel em detalhes: o objeto da reclamação, motivo, sensações e emoções. No dia seguinte leia o que escreveu e medite, reflita sobre o assunto. Talvez perceba uma frustração consigo mesmo por um desejo não atendido, uma culpa por algo que fez ou deixou de fazer… No fundo somos vítimas dos nossos próprios desejos e as circunstâncias só ajudam a criar as condições para percebermos isso.
  • medite sobre a sua capacidade de lidar com frustrações
  • pense que o universo conspira a favor e tudo tem motivo. Quando a gente aceita um fato “desagradável”, desapega e segue adiante, o futuro sempre demonstra a sabedoria do ocorrido.
  • para coisas que acontecem sempre, tente compreender o que está por trás deste padrão. Uma necessidade não atendida sua ou daqueles envolvidos. Observe e corrija. Assuma o poder de mudar os padrões.
  • lembre-se que reclamações constantes podem virar pensamentos ruminantes e provocar doenças como o stress que baixa a imunidade além de vários outros prejuízos a saúde. Por isso, use o bom humor nas mais diversas situações e inverta o jogo.
  • cante e seus males espante. Pense em tudo de bom que você tem e evoque o sentimento de gratidão que é um bom antídoto para a frustração e a raiva.
  • se estiver insatisfeita com algum serviço ou pessoa, tome uma atitude. Cancele, delete, termine!

Temos o hábito de ficarmos nos sentindo reféns das empresas ou pessoas quando apenas somos reféns da nossa preguiça de tomar uma atitude.

Em resumo: conte até 60, lembre que o universo conspira sempre a favor, desapegue da situação, faça piada de si mesmo, cante e agradeça.

Lembre-se que muitas guerras e rupturas começam com reclamações, que viram acusações e por ai vão. Podemos fazer a nossa parte para construir um mundo mais pacífico apenas virando esta chave. Bom dia sem reclamação a todos!

Comentários

comentário(s)

Sobre o Autor

Ana Cristina Koda

Percorre há mais de 20 anos o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade. Pratica e dá aulas de meditação/mindfulness, com foco em qualidade de vida e autoconhecimento. Recentemente, iniciou o canal Light Times com o objetivo de trazer a espiritualidade para um contexto de “normalidade” no cotidiano das pessoas. Pós-graduada em Biopsicologia, pelo Instituto Visão Futuro, estuda continuamente a psicologia budista, comunicação não violenta, física quântica e neurociência, entre outros. Facilitadora em atividades de treinamento e aprendizagem, sendo também habilitada em práticas e processos circulares, baseadas nas tradições dos índios norte-americanos, segundo a metodologia de Kay Pranis. Graduada pela ESPM, possui uma experiência de 30 anos, nas áreas de marketing, comunicação e produção de eventos. Trabalhou em grandes empresas como o Banco Santander, a Editora Abril e a agência DM9ddb.

Deixe a resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.